Cultura e Arte


O que fazer durante o encerramento do Museu Carnavalet?

3 anos atrás - Julie D.

O Musée Carnavalet, museu da história de Paris, encerrado até final de 2019

2000 esculturas, 2600 pinturas, 300.000 gravuras, 150.000 fotografias, 10.000 peças arqueológicas... O Museu Carnavalet é a memória de Paris. Desde a tribo Gálica dos Parísios e as canoas pré-históricas encontradas no distrito Bercy, às primeiras fotografias de Paris tiradas por Émile Atget, passando pelas chaves de Bastille e até uma madeixa de cabelo de Louis XVI, o museu conta a turbulenta história da capital Francesa. Ou melhor, irá "recontar", pois o museu está fechado para renovação até ao final de 2019, reabrindo apenas em 2020.

Pouca sorte! Então como descobrir a extrema riqueza desta história e como conhecer a sua dor enquanto se espera pacientemente pelo novo visual do museu?

Dentro do Museu Carnavalet

Não querendo deixar os seus visitantes negligenciados, o Museu Carnavalet criou uma série de visitas guiadas e palestras sobre vários temas. Estas atividades fora de paredes levam os curiosos a passear em vários distritos de Paris. Tem um leque de opções à escolha entre: passeios "a Paris dos escritores", que inclui a Paris de Victor Hugo ou a Paris de Proust, entre outros; caminhadas dedicadas a um período histórico: Paris medieval, Paris da Revolução; ou até caminhadas pelas proximidades, por Montmartre, Les Halles ou Grange aux Belles.

Na verdade, as ruas de Paris serão talvez o melhor local para descobrir a história da cidade. Sendo explorada com prazer num museu, esta história é também descoberta com o nariz ao vento, neste museu ao ar livre que é a Cidade das Luzes.

Além disso, os tempos mudaram e a instituição Paris Musée tem adquirido importância. O museu torna-se portátil e interativo: agora é possível transferir a aplicação de Paris au Fil de la Seine para descobrir a história de Paris passeando junto às margens do rio. Da Ilha de Saint-Louis até à ponte Alexandre III, descobrimos os episódios que fizeram história e podemos sobrepor as selfies de hoje às obras do passado.

Para uma nota de "postal" que poderá por vezes não ser inútil, poderemos juntar-nos ao preenchido percurso cronológico da Paris Info. Para além de recordar as datas, o site também oferece a opção, muito mais divertida, de um passeio em Paris que nos faz percorrer a cidade desde a antiguidade Galo-Romana, com as Arenas de Lutèce, até ao novo distrito da Biblioteca Nacional de França, muito recente. Pois a história de Paris continua a ser escrita!

Museu Cognacq Jay

Outros museus para descobrir a história de Paris

Uma estadia em Paris não pode passar completamente sem museus... Há outros para além do Museu Carnavalet que continuam abertos.

Museu Cognacq-Jay

Para aqueles que associam Paris à elegância do século XVIII, o Museu Cognacq-Jay é o destino perfeito. Este reúne, no sumptuoso hotel de Donon, o legado de Ernest Cognacq e da sua mulher Marie-Louise Jay. O casal Cognacq-Jay faz parte da história de Paris, já que foram eles os fundadores da loja La Samaritaine. Amantes de arte do século XVIII, eles colecionaram durante a sua vida inteira pinturas, esculturas, desenhos, peças de mobiliário, joalharia e bibelôs.

Museu Cognacq-Jay - 8 Rue Elzévir, 75003 – Aberto das 10h às 18h, de Terça a Domingo – Encerrado às Segundas – metro Saint-Paul, Chemin-Vert, Rambuteau – entrada livre para a coleção permanente; infelizmente, o museu não tem acessibilidade para pessoas de mobilidade reduzida.

Museu Jacquemart-André

O museu Jacquemart-André aloja a coleção de outro casal amante de arte, Édouard André e a sua esposa Nélie Jacquemart. André era o herdeiro de uma das maiores fortunas do Segundo Império e servira na guarda pessoal de Napoleão III: uma vez mais, esta pequena história junta uma grande figura e o fundador do museu, que fascina tanto pela sua jornada pessoal como pelo seu legado.

No sumptuoso cenário da mansão que André construiu com elevado custo em 1868, há muitas pinturas e obras de arte. Temos interesse no local em si, bem como nas magníficas coleções de arte, que reúnem primitivos Italianos, artistas Franceses do século XVIII (Fragonard, Vigée-Lebrun), artistas Holandeses (Rembrandt, Van Ruysdael) e artistas Ingleses (Joshua Reynolds). Para respeitar os desejos de Nélie Jacquemart, a disposição do local foi mantida: pode visitar as divisões e vê-las conforme estavam quando eram habitadas pelo casal Jacquemart-André, sendo o museu também testemunha de um luxuoso estilo de vida na época do Segundo Império.

Musée Jacquemart-André - 158 Boulevard Haussmann, 75008 – Aberto todos os dias das 10h às 18h, período noturno às Segundas-feiras até às 20:30 durante o período de exposições – metro Saint-Augustin, Miromesnil ou Saint-Philippe du Roule - entrada 13,50 € - compre o bilhete online no site do museu para acesso direto.

Capela do Museu Cluny

Museu Nacional da Idade Média – Thermes de Cluny

O Museu Nacional da Idade Média encontrou o local perfeito no Hotel de Cluny. O magnífico edifício era a antiga residência da poderosa ordem monástica de Cluny. Foi construído em 1485 em estilo Gótico, mas já no século XIII a ordem de Cluny tinha nas redondezas um colégio para educação dos seus iniciantes. A capela, que data do século XV, é uma joia arquitetónica, com a sua abóbada extremamente graciosa e ricamente esculpida. O museu acolhe uma extraordinária coleção de arte medieval, incluindo a esplêndida tapeçaria de A Dama e o Unicórnio.

Museu da Idade Média - 6, Place Paul Painlevé, 75005 – Aberto todos os dias das 9:15 às 17:45 exceto às Quintas (venda de bilhetes até às 17:15) - 8 €, preço reduzido 6 €, entrada livre no primeiro Domingo de cada mês, metro Cluny-La Sorbonne ou Saint-Michel.

Museu de Montmartre

O Museu de Montmartre

Conhece o gato preto, aquele gato Art Deco que se encontra por todo o lado em recordações, posters, guarda-chuvas, ímanes de frigorífico, canecas... Descubra o original, o famoso poster desenhado por Steinlein para o Cabaret du Chat Noir, no Museu de Montmartre. Perto da Place du Tertre e, no entanto tão longe da sua azáfama de turistas, o museu transporta os seus visitantes até ao coração do Montmartre Boémio de finais do século XIX e inícios do século XX.

Há também o jardim de Renoir: Renoir alugou um estúdio durante dois anos no edifício que agora acolhe o museu e o jardim foi recriado de acordo com o ilustrado em várias pinturas deste pintor Impressionista. O museu exibe uma esplêndida coleção de trabalhos e testemunhos de Modigliani, Maurice Utrillo, Suzanne Valadon, Toulouse-Lautrec e muitos outros.

Museu de Montmartre - 12 Rue Cortot, 75018 – Aberto todos os dias, todo o ano das 10h às 18h e até às 19h entre Abril e Setembro – metro Lamarck-Caulaincourt – bilhete entre 9,50 € e 11 € dependendo das exposições.

Museu da Préfecture de Police

O Museu da Préfecture de Police retrata a história das forças policiais de Paris, desde a sua criação no reinado de Louis XIV. Paris no século XVII era uma metrópole vibrante, cujo soberano conhecia bem o espírito rebelde da Fronda que o forçou, ainda criança, a fugir da capital. O Rei Sol força Colbert a organizar uma força policial moderna e assim se deu o início de uma fascinante história que reflete a evolução da cidade.

As reformas importantes realizadas por sucessivos tenentes moldaram a face de Paris: a introdução de iluminação de rua no século XVIII foi iniciativa da polícia e ajudou a transformar Lutetia em Cidade das Luzes. O estabelecimento de um sistema de arquivo e identificação com as técnicas de Alphonse Bertillon marcou o início da polícia científica no final do século XIX.

O museu apresenta também um histórico de criminalidade e condenação de criminosos. Esta parte da coleção, denominada "Museu do Crime", fica muitas vezes fria e vazia nas traseiras...

Museu da Préfecture de Police - 4, Rue de la Montagne Sainte-Geneviève, 75005 - metro Maubert-Mutualité – Aberto de Segunda a Sexta das 9:30 às 17h – entrada gratuita.